Seus antepassados podem ser a causa dos seus problemas – Veja porque

Seus antepassados podem ser a causa dos seus problemas – Veja porque

Nosso corpo geralmente reflete os problemas ou doenças herdadas da árvore genealógica. Não devemos cair na armadilha de procurar receitas infalíveis porque não há nenhuma. Cada caso é diferente. Este artigo fornece algumas diretrizes que servem de base para que você encontre a origem dos seus problemas.

Atribuir um ancestral a cada órgão ou área do corpo é simplista demais. Algo semelhante à tarefa em que muitos neurologistas locais continuam envolvidos: a atribuição de funções cognitivas específicas a áreas cerebrais específicas. 

A conclusão a que chegam é que há especialização em certa medida, porque no cérebro, como no Universo, tudo interage com tudo e tudo está contido em cada parte do todo.

Antes de prosseguir, devemos ter em mente que em cada área do corpo existem três informações:

  • A memória da nossa árvore genealógica.
  • A memória biográfica pessoal.
  • As mensagens que nossa parte interna mais “sábia” nos envia através do corpo.

1. A memória da nossa árvore genealógica

A família está viva na pele, no corpo, está falando. Tanto é assim que podemos reconhecer a nossa árvore pelo traço que nos resta. Essa “certa especialização” da qual falamos, na qual os estratos da nossa árvore genealógica vivem em cada um de nós, pode ser expressa em amplos traços:

  • Lado direito do corpo – ramo paterno.
  • Lado Esquerdo – ramo materno.
  • Ombros, cabeça – bisavós.
  • Tórax e braços – Avós.
  • Da cintura até os joelhos – pais.
  • De joelhos a solas dos pés – irmãos.

2. A memória biográfica pessoal.

Do modo como somos concebidos, pelo tipo de nascimento, como acariciámos as crianças, tudo está escrito no corpo. Por exemplo, consideramos que o peso da culpa é baseado na parte superior das costas e nos traumas infantis nos pés. 

A pele é uma grande tela na qual a história de nossas relações com o mundo está escrita.

3. As mensagens que o interior sábio nos envia através do corpo.

Nosso corpo é o mapa físico de nossa consciência, um reflexo fiel de como atuamos em diferentes áreas da vida. Qualquer sintoma físico é uma oportunidade de perceber que existe uma área em nossa vida que precisa de atenção.

O corpo como um todo está inclinado a andar: para trás ou para frente. 

Estaremos fugindo do passado se andarmos ligeiramente inclinados para a frente. Se nos inclinamos para trás enquanto andamos, temos medo de entrar na vida.

A cabeça:

Também pode simbolizar o pai e todos os ancestrais masculinos. Andar com a cabeça na frente é o mesmo que não reconhecer nossos desejos, somos refugiados no intelecto.

Os tumores cerebrais têm a ver com os segredos ocultos da árvore. Enxaquecas com retenções sexuais.

Olhos:

O olho direito é o intelectual, o racional. O esquerdo é o do coração, o profundo, o da receptividade.

A boca e os ouvidos:

Eles simbolizam a linhagem materna (são receptivos). A surdez na orelha esquerda pode ser algo que eu não quero ouvir sobre a linhagem feminina.

Dentes fracos:

Eles são o resultado de raiva não expressa.

A garganta:

É o canal de expressão e criatividade. A amigdalite esconde o medo, reprime as emoções e sufoca a criatividade.

O peito:

Aqui está o relacionamento coração-emoções. Se eles não nos amarem, desenvolveremos um peito endurecido e insensível.

As mãos:

Eles são o símbolo de escolha. A mão direita é o símbolo da escolha racional, sem fé. A esquerda é a intuitiva.

As unhas:

Elas são nossas defesas simbólicas.

As costas:

Os problemas simbolizam que você sobrecarrega os pais. Se eles não nos acariciarem como crianças, podemos sofrer um desvio da coluna. Nas costas, os conflitos não resolvidos de nosso passado são arquivados:

  • Na parte inferior das costas é a conexão com a nossa sexualidade e criatividade (os pais).
  • Na parte dorsal é a conexão com a nossa parte emocional (os avós na árvore).
  • Na parte cervical nos conectamos com o nosso intelecto (bisavós)

O ventre:

A mãe e tudo o que “digerimos da vida”. Problemas estomacais estão associados ao medo e ansiedade.

A pélvis:

Conecta-se com a sexualidade e com nossos pais. O medo da sexualidade pode se traduzir em uma pélvis movida para trás.

Os joelhos:

Eles nos mostram nossa flexibilidade, nossa adolescência. Se vivermos presos em nosso castelo, inflexíveis, sofreremos com nossos joelhos.

Os pés:

Eles simbolizam o território, ligado à nossa irmandade. Quando não estamos vivendo nossas vidas, andamos como um ladrão sem fazer barulho. 

Se somos filhos de pais divorciados ou separados… as pontas dos pés são separadas. 

Vivemos em um tempo de regressão à infância… as pontas dos nossos pés olham para dentro. Quando os pés se inclinam, eles apontam que não temos um lugar no mundo.

Somos um espírito que usa um corpo de veículo para percorrer esta vida, mas não é um corpo inerte, cada célula contém o que nossos ancestrais eram e o que somos.

“Nada parece melhor para o corpo do que o crescimento do espírito.”

Deixe uma resposta